Publicado em

Dica da Márcia – A verdade sobre as listras!

 

Olá pessoal!!! Tudo bem?

Em um post anterior, conversamos sobre o efeito visual das cores (se você não leu, clique aqui), e hoje vamos falar sobre o efeito visual de uma estampa que vem se destacando no cenário da moda e da decoração: as listras. É bacana entender de veio uma tendência, então trouxe para vocês algumas curiosidades sobre o surgimento desta estampa tão difundida.

As listras tem uma longa história. Mesmo na Idade Média, já eram reservadas a pessoas banidas da sociedade, doentes ou bandidos; eram vistas com desprezo, excluindo os a que a vestiam. Na época medieval, prostitutas e saltimbancos usavam a estampa, reforçando o status marginal dela. Refletia uma imagem geralmente associada à escravidão e ao preconceito, e representações do diabo eram frequentemente ilustradas com listras.

Pouco a pouco, o significado foi se transformando. As listras verticais passaram a ser usadas com exclusividade pela aristocracia, e as horizontais, pelos serviçais. Depois, passaram a serem usadas em roupas de banho, roupas de dormir e roupas íntimas, além de estamparem uniformes do proletariado, de presidiários, dos judeus nos campos de concentração e de marinheiros de baixa renda.

A camisa do uniforme de marinheiros franceses de baixa renda era listrado

A marginalização da estampa listrada durou até a década de 20. Gabrielle Coco Chanel, durante uma temporada no litoral da França, observando os uniformes dos marinheiros, se inspirou e criou roupas para si mesma com a padronagem, além de uma coleção com inspiração navy (tendência que se inspira nos marinheiros, no mar). Uma delas foi a estampa Breton, e assim, as listras começaram a serem aceitas e se popularizar no mundo da moda.

Gabrielle C. Chanel vestindo blusa com estampa Breton

Atualmente, há inúmeras coleções de moda com peças listradas, em diferentes padronagens (não somente retilíneas, mas também diagonais e perpendiculares), além de cores variadas e larguras diversas.

A tendência se revela nas últimas coleções das grifes Carolina Herrera, Altuzarra, Louis Vuitton e Off-White

Com a popularização da estampa, durante muito tempo ouviu-se uma “regra” de moda que diz que as listras verticais emagrecem, e as listras horizontais engordam. Mas será que isso é mesmo verdade?

Recorrendo à ciência, comprovou-se que não.

Ainda no século 19, o cientista Hermann von Helmholtz realizou um experimento no qual desenhava dois quadrados idênticos, cobrindo um com listras verticais e o outro com horizontais. O resultado mostrou que o quadrado com listras horizontais parecia mais alto e magro do que o outro, levando o cientista a recomendar, na época, que mulheres usassem listras horizontais para parecerem mais altas.

Teoria da ilusão dos quadrados de Hemholtz: qual quadrado parece maior?

Esta teoria da ilusão dos quadrados de Hemholtz inspirou um estudo conduzido por uma equipe de pesquisadores e psicologistas britânicos da Universidade de York, em 2008. Apresentado no British Association’s Festival of Science, em Liverpool, o experimento propôs a voluntários que observassem fotos de mulheres usando 200 trajes listrados e apontassem as mais magras; e para sua surpresa, ao olharem imagens de mulheres com o mesmo corpo, os participantes opinaram que as que usavam roupas listradas na horizontal eram as mais magras.

A explicação é que as listras horizontais criam imagens em 3D e tem mais profundidade, dando a sensação de redução da largura em aproximadamente 6%. Entretanto, para tirar proveito deste efeito nas nossas roupas, a peça deve ter um bom caimento e modelagem apropriada, não devendo ser usada em blusas curtas ou modelagens largas, por exemplo.

Ainda há alguns outros detalhes a se levar em consideração. Listrado é diferente de uma listra ou faixa. No caso de uma única linha, a vertical é a melhor para qualquer tipo de silhueta. Além disso, as listras horizontais largas por exemplo, aumentam visualmente se forem claras, ou diminuem, se forem escuras. Caso opte por um vestido de listras horizontais, por exemplo, busque um que enquadre dois modelos de listras para valorizar as curvas. As listras na diagonal também ajudam a alongar a silhueta.

Listras horizontais largas escuras na cintura diminuem a região, e listras horizontais largas claras no busto aumentam a região

Na dúvida, a dica é acompanhar a peça listrada com um casaco. Uma terceira peça adequada cria uma linha vertical que desfaz o efeito de aumento visual.

Um abraço e até a próxima dica da Márcia!

marianne-1

*Fonte das imagens: Pinterest e site Trimix*

Publicado em

Dica da Márcia – Combinando Vestido & Tênis

Olá pessoal!! Tudo bem?

Hoje vamos falar de uma tendência que despontou nas últimas temporadas: o uso de vestidos com tênis.

Há algum tempo atrás, essa combinação era considerada um pouco ousada demais, “college”, infantil e até mesmo brega. Mas as idas e vindas da moda trouxe à tona este mix, considerado hoje casual para muitas influenciadoras de moda.

As influenciadoras digitais Thássia Náves (esquerda) e Camila Coelho (direita) escolheram peças minimalistas para usar a combinação de tênis com vestido

Mas de onde surgiu essa tendência?

As primeiras aparições da combinação inusitada foram nas passarelas de nada menos que Chanel e Dior, em coleções de 2014. É claro que inicialmente essa mistura foi encarada com estranheza, mas acabou caindo no gosto popular e é bastante comum encontrar a tendência nas ruas. Hoje não é apenas uma combinação diferenciada, mas também pode ser criativa e até mesmo extravagante, dependendo da escolha das peças. O vestido é considerado a peça mais feminina e antiga do mundo da moda, e a palavra de ordem para quem gosta de tênis é conforto. Aliando essas características, o resultado é a montagem de um look fashionista, moderno, casual, básico e também super confortável.

Chanel Spring/Summer 2014
Dior Spring/Summer 2014

Muitas dúvidas giram em torno desta combinação, que trás uma pegada do estilo hi-lo. Do inglês high-low (alto e baixo),consiste em misturar peças luxuosas com outras mais descoladas, esportivas ou básicas, usando em um mesmo look peças básicas e sofisticadas.

Atualmente, a moda deixou de ser um padrão representativo de classe social para se tornar uma manifestação de identidades pessoais, tornando-se mais democrática. A moda gira em torno do estilo pessoal, e o conceito hi-lo é o que há de mais forte no momento; é a liberdade de poder vestir o que quiser, misturar peças que aparentemente não tenham qualquer ligação, assim como na combinação de um vestido e um tênis, na qual o óbvio seria usar o primeiro com sandálias e o segundo com roupas fitness.

Marcas como Nike, Adidas, Rebook, Olympikus e Asics tem investido em moda casual e lançado modelos para as não corredoras e amantes de tênis, criando modelos exclusivamente para passeios curtos e looks casuais, com leve amortecedor e mais baixos que os modelos de caminhada, corrida ou malhação. Ao escolher o seu, lembre-se: os modelos ideais para esta finalidade são aqueles rasteiros (quase um sapatênis) e que não possuem os amortecedores em destaque. Outras marcas são reconhecidas por sempre lançarem modelos com esta proposta, como Vans, Keds e Converse, com os famosos tênis AllStar.

Alguns modelos disponíveis no mercado – em cima, AllStar à esquerda e Vans à direita; em baixo, Adidas à esquerda e Keds à direita.

Para montar um look assim, não há regras além da escolha do modelo do tênis. Para começar, tenha em mente uma proposta simples: um visual confortável e casual para ser usado em ocasiões informais. Assim, quanto mais básico, monocromático e sem detalhes o tênis for, mais fácil será a montagem dos looks. Combinações que dão certo:

  • vestido liso com tênis colorido
  • vestido com estampa e tênis liso
  • vestido de renda com tênis branco
  • vestido curto de malha com AllStar
  • vestido jeans com tênis
  • vestido preto com tênis preto e branco
  • vestido tubinho de malha com tênis branco
  • vestido longo fluido estampado com tênis básico/liso

Para as mais ousadas, vestidos com brilho, peças conceituais e propostas mais sensuais também são permitidas. Tecidos fluidos e saias soltas de vestidos deixam o visual mais leve e despojado. Para arrematar, a jaqueta jeans dá um toque especial e combina perfeitamente com este tipo de look.

Vai aí um painel para te inspirar:

Como Consultora de Imagem, a dica final é conhecer qual modelagem de vestido e tecido mais valorizam sua silhueta, além de considerar cores e optar por um estilo que realmente você se sinta bem ao usar. Se ainda está em dúvida, faça uma autoavaliação: se você não se sente à vontade usando esta tendência (ou qualquer outra), não está respeitando sua essência, que é muito mais importante que qualquer modismo.

Ficou com alguma dúvida? Deixe nos cometários!

Um abraço e até a próxima Dica da Márcia!

marianne-1

*Fonte das imagens: Pinterest*

Publicado em

Dica da Márcia – Preto emagrece mesmo?

Olá pessoal!!

Tudo bem?

Todo mundo já ouviu falar um dia que preto emagrece. Você já se perguntou se isso é mesmo verdade?

Na verdade, o efeito visual das cores é explicado pela Física, olha só:

As cores claras são expansíveis. O material da roupa devolve os raios de luz que recebe para o ambiente, criando uma ilusão de ótica de maior volume, uma sensação visual de aumento da área para a qual estamos olhando. Por isso também as cores claras são mais refrescantes, não absorvem a luz. Até mesmo para decoração, os ambientes mais claros dão a sensação de maior amplitude e mais leveza.

Já com as cores escuras ocorre o inverso. As cores escuras são contráteis: o material da roupa  absorve os raios de luz que recebe do ambiente, criando a sensação visual de diminuição da área. Este é o motivo pelo qual as cores escuras aquecem mais, absorvem a luz.

Assim, não é que uma cor emagreça ou não, mas o efeito visual causado por ela pode aumentar ou diminuir a impressão de volume da silhueta.

A cor clara cham mais a atenção do olhar, aumentando o efeito visual da silhueta.

O segredo é saber usar as cores a favor do seu biotipo físico, usando cores claras em áreas que deseja chamar a atenção, e cores escuras em áreas que deseja desviar o olhar. Por exemplo, se você tem o quadril largo e deseja disfarçar, você pode usar calças, bermudas e saias de cores escuras; ou se você tem o busto pequeno e deseja passar uma impressão de que é maior, use cores claras de blusas e tops.

Recortes estratégicos em cores contrastantes também causam efeitos visuais. Neste caso, os recortes laterais escuros criam a ilusão visual de cintura mais fina.

Mas não só de cores é feita uma roupa. Há que se tomar cuidado com escolha do tecido, a modelagem e o caimento, pois estes fatores podem criar uma ilusão indesejada. Por exemplo, tecidos claros ou escuros com brilho (como cetim), drapeados e babados também podem criar a ilusão de uns quilinhos a mais.

Outra dica bacana é sobre os looks monocromáticos. Pra quem não sabe, o look monocromático é aquele formado por apenas uma cor. Desta forma, o look alonga a silhueta, pois cria uma linha vertical sem interrupções. Entretanto, tome cuidado com o look monocromático de cor clara, pois dependendo do tecido e dos detalhes, pode aumentar visualmente a silhueta.

Looks monocromáticos alongam a silhueta, mas tome cuidado com tecidos e detalhes que acrescentam volume

Quando falamos de cores escuras, pense além do preto e invista em outros tons como marrom, azul marinho, cinza escuro, verde escuro, berinjela, entre outros. Para as cores claras, também temos outras opções além do branco: off-white, tons pastéis, nude, amarelo, azul claro, rosa claro, etc.

Vale olhar-se de longe no espelho para conferir o efeito real da roupa e/ou tirar fotos para comparar.

Um abraço e até a próxima dica da Márcia!

marianne-1

*Fonte das imagens: Pinterest*

Publicado em

Dica da Márcia – Dando nomes ao xadrezes

Olá pessoal! Como estão?

Com a entrada da estação mais fria no Brasil, as estampas invernais saem do nosso guarda-roupas para darem o ar da graça! Dentre elas, a principal é o xadrez, e você sabia que existem vários tipos por aí?

Selecionamos os principais para você se familiarizar, confira:

Tartã ou tartan: é o tecido de lã de trama fechada e de gramatura leve, que possui listras diferentes que se cruzam criando desenhos em xadrez de várias larguras. Originário da Escócia, no século XVIII, servia para identificação dos clãs escoceses. Após a Segunda Guerra Mundial, os kilts e saias de tartã tornaram-se populares. Foi Coco Chanel que trouxe roupas elegantes e confortáveis no padrão tartã para o guarda roupa feminino.

Burberry: apesar de a estampa ter sido criada e patentada pela grife britânica Burberry em 1924, é cobiçada e a mais copiada pelo mundo da moda.

Madras: esta estampa tem sua origem na Índia, inspirada nos trabalhos artesanais de patchwork e com aspecto mais delicado e menos pesado. Mais comum nas coleções de primavera/verão por ser geralmente mais colorido e alegre, é comumente usada em tecidos mais leves e confortáveis.

Argyle: proveniente de região de Argyll, no oeste da Escócia, a estampa é formada uma padronagem de losangos, geralmente em tons sóbrios, cortados por linhas de cor contrastante, geralmente bege, branco ou preto. Comumente encontrado em roupas masculinas, novas versões do Argyle não são difíceis de achar por aí, com cores mais alegres e tons pastéis. Muito usado em suéteres, meias-calças, coletes e cardigãs.

Vichy: delicada e com ares vintage, a estampa vichy é formada por quadrados pequenos, aparece geralmente com as cores vermelho e branco ou preto e branco. Também conhecido como gingham, este xadrez marcou as décadas de 50 e 60, sendo uma as queridinhas das pin ups. Por sua delicadeza, é comumente usado em peças leves.

Buffalo Check: no mesmo padrão da estampa Vichy, porém mistura tons de preto e vermelho em quadrados maiores, transmitindo um ar mais pesado. Muito utilizada em tecidos quentes, como a flanela, cobertores e mantas. Hoje é muito encontrado em outras cores, como preto e branco ou azul marinho e branco, em itens de decoração, como estofados.

Príncipe de Gales (glen plaid): assim como o tartã e o argyle, esta padronagem teve sua origem na Escócia, sendo finalmente popularizada pelo Duque de Windsor (Edward VIII, Príncipe de Gales), que acabou emprestando o seu título à estampa. Geralmente reproduzida com cores neutras e sóbrias, é uma estampa de estilo clássico e é muito comum em alfaiataria.

Pied-de-poule: leia-se “piê de pul”, significa pé de galinha, traduzido do francês. Mais uma vez, foi Coco Chanel quem introduziu essa estampa no nosso guarda-roupas, que criou tailleurs a partir de peças do armário masculino. O pied-de-poule é mais frequentemente usado no inverno em tecidos grossos (como o tweed), mas também aparece em tecidos leves em alguns itens, como saias, vestidos e shorts.

 

Pie-de-coq: traduzido do francês, significa pé de galo, e possui a mesma padronagem do pied-de-poule, porém possui as formas maiores.  

Espero que tenham gostado e aprendido um pouco mais sobre os tipos de xadrezes que temos. A minha dica final é que tenham cuidado ao escolher as cores corretas para o seu tipo de pele, além do tamanho da padronagem estampa e a espessura do tecido, pois pode acabar provocando um efeito visual indesejável de aumento de silhueta. Um(a) Consultor(a) de Imagem pode te ajudar no caso de dúvidas!

Um abraço e até a próxima dica da Márcia!

marianne-1

*Fonte das imagens: Pinterest*

Publicado em

Dica da Márcia – Tudo sobre Veludo

Olá pessoal! Tudo bem?

Para voltar com a Dica da Márcia, preparei um post para vocês sobre uma das tendências mais fortes dos últimos tempos: o veludo. Não se sabe ao certo quando a tendência foi resgatada, mas quando Karl Largefeld se inspirou na cultura bizantina do século 15 e misturou com os anos 60 londrinos na coleção Resort 2011 da Chanel, o uso do tecido ressurgiu com força total nos outros desfiles de inverno 2012, e desde então está em voga em várias coleções.

Há quem ache cafona, há quem use só pela tendência, há quem use por achar quentinho, há quem use em todas as temporadas: o veludo é um tecido que sempre gera dúvidas na hora de comprar e também na hora de usar!

Do latim “vellutus”, a palavra veludo significa “pelo” ou “pelo em tufos”. O tecido apresenta em um dos lados uma textura rica, macia e brilhante, com pelos curtos e densos, obtido pelo corte dos fios adicionais, laçados na estrutura básica em sua tecelagem.

UM POUCO DE HISTÓRIA…

O veludo é um dos tecidos mais antigos do mundo. Foi criado na antiga Índia, e é conhecido na Europa desde a Idade Média. Passou a ser comercializado no século XIV e até o século XIX como sinônimo de nobreza. Como era confeccionado em teares manuais quase que exclusivamente com fio de seda, o veludo era um tecido muito caro, comprado e usado apenas por nobres. Era bastante importado para países da Europa, mas nos séculos XIV e XV, a Itália também passou a produzi-lo, onde as fábricas de Veneza, Florença, Gênova e Milão ganharam fama mundial. No século XIX, era geralmente usado em vestidos e casacos.

Corpete / Jaqueta de seda de veludo e “anágua” ca. 1718. Museu del Disseny (Barcelona, Espanha)

Chegado o século XX, o veludo ainda era considerado um tecido de luxo, comumente reservado à ocasiões mais formais, mas no fim da década de 60 e no início da década de 70, houve uma forte tendência de saias e calças de veludo para o dia. Depois do século XIX, o veludo passou a ser produzido com base em fibras de algodão além da seda, o que possibilitou baratear os custos de produção, tornando-o mais acessível à população.

DO QUE É FEITO O VELUDO?

Hoje, o veludo pode ser confeccionado a partir de diferentes fibras, tanto naturais (como seda, bambu e algodão – atenção às consumidoras veganas) quanto sintéticas (como rayon, acetato e poliéster), quanto de uma mistura de fibras. Cada tipo de fibra deixa o veludo com um aspecto diferente.

QUAIS SÃO OS TIPOS MAIS COMUNS DE VELUDO?

Veludo Liso – também conhecido como veludo alemão, é feito de seda (mais brilhante) ou de algodão. Não tem acabamento que agregue textura. É bem liso, maleável e de brilho intenso, de aspecto sofisticado, perfeito para roupas de festa. Roupas confeccionadas a partir dessa trama ganham um ar mais sofisticado, que remetem à antiga nobreza europeia. É considerado o mais chique dos veludos, o mais clássico, mais antigo e mais caro.

 

Blake Lively veste vestido de veludo liso (alemão) da marca Versace no último Globo de Ouro

Veludo Cotelê – é um tecido canelado, com riscas. Sua base pode ser o algodão ou algum fio sintético como o poliéster ou o raiom. Também pode ter elastano em sua composição, o que confere maior conforto ao tecido. O cotelê pode ser fino, com textura delicada porém resistente, no qual as riscas verticais são bem próximas – ideal para roupas infantis, bolsas e sapatos. Também pode ser largo, com riscas mais espaçadas. Como não possui brilho, é ideal para peças do dia a dia, como calças e blazers.

Casaco de cotelê largo

Veludo Molhado – é produzido com fibras sintéticas, onde a base é a malha, o que propicia a maciez e a leveza no caimento. Como o próprio nome já diz, parece que está mergulhado em água, pois tem um brilho intenso e é muito maleável. A superfície é irregular, como se tivesse sido machucado.

Vestido de veludo molhado

Devorê – feito a partir de é um processo químico que corrói o tecido e o deixa com desenhos em relevo, os pelos do tecido formam desenhos variados em uma base lisa, deixando-o bem maleável. A padronagem em fundo fino e semitransparente forma, em geral, desenhos de flores e arabescos. É muito utilizado em roupas mais formais.

Quimono de veludo devorê

Cristal – bem lisinho, brilhante e fino (mais fino que o liso), é comumente feito a partir de fibra de seda. Bastante usado na alta-costura e em peças mais sofisticadas que precisam de um caimento mais leve, como vestidos e saias.

Vestido de veludo cristal – Desfile Valentino Inverno 2017, Paris

COMO CUIDAR DE UMA PEÇA DE VELUDO

O veludo é um tecido resistente, mas é preciso ter cuidado com os pelos, para que fiquem sempre fofos.

Para lavar: peças de roupa comuns devem ser lavadas do avesso, à mão, com sabonete neutro e secar à sombra.  Se possível, mande as peças de festa e mais finas para uma boa lavanderia.
Para passar: habilite o ferro na opção vapor e use um pano macio por cima da peça. Alise a peça de cima para baixo, sempre na direção em que os pelos nascem.
Para guardar: guarde as peças comuns em cabide grosso ou até mesmo dobre, pois como é um tecido pesado, cabides finos podem deformar a peça. Vire do avesso as peças mais finas e de festa para evitar deformidades e evitar marcas.

O VELUDO E A MODA

Apesar de passar uma imagem de luxo e extravagância, pois no passado era restrito ao inverno e às roupas de festa, a democracia da moda dos dias de hoje insere o veludo em versões para todas as estações e ocasiões. Sempre foi um clássico, e retoma uma posição de destaque para quem gosta de moda luxuosa, e também demonstra um desejo do consumidor por materiais que tragam uma experiência sensorial de toque.

O veludo não é apenas bem vindo em coleções de festa, acrescentando um toque refinado mesmo aos modelos mais simples. Também é uma peça bacana para o novo guarda-roupa do jovem moderno, que mistura o visual retrô com peças contemporâneas. Com muita influência da década de 1970, ele pode ser visto em peças versáteis, como uma saia de cintura alta – que vai do trabalho ao happy hour sem esforço-, shorts, além de peças de alfaiataria. Hoje, a tendência é usá-lo em peças inusitadas, nas quais este tecido não é usado normalmente, como em bodies, macacões, shorts, calçados e até mesmo em acessórios, como bolsas e gargantilhas (chokers).

Biquíni, mochila, tênis e choker de veludo: inúmeras utilizações do veludo nos dias de hoje

Como você pode ver, o veludo é versátil e pode ser usado em várias ocasiões, da rua ao tapete vermelho. Como designer de moda e consultora de imagem, a dica para inseri-lo em seus looks é simples: sentir-se bem e respeitar seu próprio estilo!

Espero que tenham gostado!

Um abraço e até a próxima Dica da Márcia!

marianne-1

*Fonte das imagens: Pinterest*

Publicado em

Dica da Márcia – Lançamento Coleção Soberana

 

Olá meninas!

Aqui vai um convite para todas as nossas clientes e amigas: o coquetel de lançamento da nossa nova coleção Soberana nesta sexta e sábado!

Estamos preparando tudo com muito carinho: será um momento para colocarmos a conversa em dia e compartilharmos dicas de tendências de moda da nova estação, com degustação de deliciosos docinhos e espumante. Veja um pouquinho do que está chegando por aqui:

Vestidos e macacão: texturas, cores fortes e mais escuras, poás

 

Comprimento midi, metalizados, rose, floral dark

 

Ombros de fora, calças de alfaiataria, couro-fake e babados

 

Consulte disponibilidade de cores e tamanhos para cada modelo! Trabalhamos com numeração do 36 ao 50, além de acessórios como brincos, colares, bolsas e calçados. Contamos com a sua presença!

Um abraço da equipe Márcia.com

Publicado em

Dica da Márcia – 8 Fantasias Criativas e Improvisadas Para o Carnaval

Oi! Tudo bem?

O carnaval já está chegando (sim, já 😱), e separamos oito inspirações de fantasias fáceis de serem improvisadas (com alguns D.I.Y), baratas e criativas para quem gosta de se divertir nesta época! Confira:

 

CANGACEIRA: vestido branco de babados, dois cintos abotoados e cruzados por cima do vestido, pochete e chapéu!

 

FRIDA: para montar esta fantasia, opte por cores vivas e motivos de flores bordadas! Flores grandes e vermelhas no cabelo, batom vermelho e a famosa sobrancelha “juntinha”. Para ficar mais bacana ainda, o macaquinho, que pode ser inflável ou de pelúcia.

 

MORANGUINHO: compre feltro bege ou preto e recorte em gotas. Pregue com linha ou cola para tecido (isso se você não for mais usar o vestido) num vestido vermelho. Com uma tiara de base, faça as folhinhas com cartolina ou e.v.a verde. E pronto!

 

BAIANA: escolha uma roupa volumosa, de preferência com babados, na cor branca. A coroa de frutas pode ser montada com a ajuda de uma tiara, frutas de mentirinha e cola quente. Não se esqueça do turbante bem colorido, brincão e máxi-pulseiras!

 

CHAPLIN: homenagear este grande artista não é difícil! Chapéu coco preto, luvas, suspensório e roupa preta, além do famoso bigodinho característico.

 

CACTO: já há algum tempo os cactos e plantas suculentas tem ganhado espaço especial em decorações, e porque não ousar em uma fantasia super-divertida? Tudo o que você vai precisar é de um vestido verde, pedaços de canudinhos dobrados ao meio, agulha, linha e disposição. Além da grande e colorida flor no cabelo, para arrematar!

 

ABACAXI: esta é mais fácil que a de morango! Um vestido amarelo, uma tiara e cartolina ou e.v.a para fazer as folhas. Fica uma fantasia com ar tropical de verão, podendo ser arrematada com o óculos de sol, que combina com o estilo da produção.

 

GUEIXA: a maquiagem com olhos bem puxados e o coque com os hashis vão fazer toda a diferença nesta produção. Escolha um vestido de mangas amplas e arremate com uma faixa na cintura! Uma flatform cairia super bem nos pés, tanto pelo conforto por combinar com o tema.

 

Como você vai se fantasiar neste carnaval e qual destas fantasias você usaria? Ainda dá tempo de improvisar!

O mais importante é se divertir bastante do lado de quem a gente gosta…

Não se esqueça de deixar seu comentário para mim! Um abraço e até a próxima Dica da Márcia!

marianne-1

*Fonte das imagens: Pinterest*

Publicado em

Dica da Márcia – Aprenda a escolher o biquíni ideal para você (Parte 2/2)

Oi! Tudo bem?

Este post é a continuação do assunto do post anterior! Se você não leu, clique aqui para conferir!

É importante para a sua imagem pessoal e autoestima usar uma roupa de banho que valorize os pontos fortes do seu corpo! E hoje, trouxemos mais três sugestões de biquínis ideais para determinadas características do corpo feminino. Confira:

 

Para as que desejam disfarçar o o quadril largo, a melhor opção é apostar em calcinhas discretas, sem amarrações ou drapeados e em cores lisas, e chamar atenção para a parte de cima, com sutiãs mais coloridos, estampados e com detalhes como babados e franjas!

 

Se você deseja valorizar esta parte do seu corpo, invista em calcinhas com muitos detalhes, amarrações laterais, em cores e estampas chamativas. As calcinhas com divisão central na parte de trás (as calcinhas “levanta-bumbum”) também são uma ótima opção para este objetivo.

 

Se você deseja valorizar o seu corpo plus size, a melhor opção é apostar em maiôs que delineiem a cintura e que chamem a atenção para o busto. Pode abusar de cores e estampas diferenciadas, principalmente de listras verticais. Recortes na região da cintura ajudam a delinear a cintura. A vantagem do maiô é que pode compor um look pós-praia/piscina, mas não gostar deles, uma opção é apostar em calcinhas com cós alto e que tenham a lateral mais larga, pois ajudam a não marcar demais e costumam acinturar, resultando em um corpo bem feminino. Evite biquínis com tiras finas ou muito justas na cintura.

Lembrando que estas são apenas sugestões para você. Um assunto que deve ser discutido é como a insegurança em relação ao seu próprio corpo afeta negativamente a grande maioria das mulheres devido à grande influência da mídia e da indústria da moda, que ainda ditam padrões de beleza inalcançáveis e incompatíveis com a maioria dos corpos reais. Felizmente, principalmente nas redes sociais, tem ocorrido uma grande movimentação em favor da quebra desses padrões de beleza, com a intenção de valorizar mais a essência que a aparência, e que uma pessoa pode e deve se vestir da forma como quiser, sendo bela de qualquer maneira.

Para finalizar, acredito que o mais importante é se sentir bem na sua própria pele. Quando temos essa consciência, estamos livres para prestar atenção em outras coisas, para aproveitar a vida como ela deve ser aproveitada. Para isso, o autoconhecimento é um grande aliado. Mesmo que não goste do que é mais adequado ao seu corpo, a sua autoconfiança é fundamental para se sentir bem!

Espero que tenha gostado! Deixe sua dúvida ou comentário para mim!

Um abraço, e até a próxima Dica da Márcia!

marianne-1

*Caso você tenha gostado de algum biquíni deste post e queira adquirir, os modelos são das lojas virtuais {www.kaisan.com.br} e {www.vkmodaplussize.com.br}*

Publicado em

Dica da Márcia – Aprenda a escolher o biquíni ideal para você (Parte 1/2)

 

Oi! Tudo bem?

Como estamos no Verão, em clima de férias e o Carnaval está chegando, um bom biquíni é indispensável para curtir os dias mais quentes à beira da piscina ou em contato com a natureza. Com tantas opções disponíveis e diferentes, hoje trouxemos dicas valiosas para você escolher um biquíni não somente porque é lindo, mas que também seja confortável e que valorize os pontos fortes do seu corpo! Uma vantagem que ajuda muito é poder comprar as peças separadamente em determinadas lojas nos dias de hoje. Veja só:

Se você tem seios grandes, os modelos ideais são aqueles com alças maiores para maior sustentação e conforto; pode ser de amarrar no pescoço ou alças comuns, e também pode ter um bojo mais fino, como você preferir. Cuidado com bojos volumosos.

 

 

Se você deseja disfarçar a “barriguinha”, escolha os modelos de calcinha mais altos e maiores; os “hot-pants” são uma opção estilosa e fashionista!

 

Se o seu biotipo é do tipo Retângulo (com a cintura pouco delineada), usar a parte de cima e a parte de baixo com muita informação ajuda a chamar a atenção para essas partes, desviando o olhar da cintura.
Se deseja aumentar o volume dos seios, a melhor opção é apostar em modelos com bojo e muitos detalhes, como babados e estampas coloridas. Os tomara-que-caia são uma ótima escolha.

Na semana que vem, não perca as dicas para disfarçar quadris largos, valorizar o bumbum e também para plus size, além de uma reflexão sobre padrões de beleza. Lembre-se de deixar seu comentário ou dúvida para mim!

Um abraço, e até a próxima Dica da Márcia!

marianne-1

*Caso você tenha gostado de algum biquíni deste post e queira adquirir, todos os modelos são da loja virtual {www.meubiquini.com.br}*